Síndrome de Irlen

Síndrome de Irlen

Sabemos o quanto a nossa visão é essencial para, praticamente, quase tudo o que fazemos em nossas vidas. Se isso já é tão importante para um adulto, imagine para uma criança que ainda está aprendendo como são as coisas no mundo ao seu redor. Além disso, elas também precisam ler e estudar na escola e não ter uma boa visão costuma prejudicar consideravelmente o aprendizado.

Um desses problemas que afetam a visão é a Síndrome de Irlen. Quem tem encontra dificuldades para adaptar a quantidade de luz que entra no globo ocular, o que por sua vez, produz alterações no córtex, a parte do cérebro responsável por interpretar as informações que vêm do ambiente externo.

Vamos aprender um pouco mais sobre essa deficiência que se caracteriza por um problema de neurovisão. Acompanhe!

 

O que é Síndrome de Irlen?

Trata-se de uma patologia hereditária, ou seja, os pais ou um dos pais da criança possui a condição. Não precisa ser na mesma intensidade, bastando apresentar a doença. A disfunção é identificada mais facilmente em períodos da vida que o portador precisa ler muito como na escola, por exemplo. A dificuldade pode aparecer tanto ao ler material impresso quanto também nas telas de dispositivos eletrônicos.

O nome Síndrome de Irlen vem da pessoa que descobriu a deficiência, uma psicóloga cujo nome é Helen Irlen. Ela realizou uma pesquisa com centenas de adultos que eram classificados como analfabetos funcionais e também por uma leitura deficiente e baixa escolaridade. Em 1983, depois de o estudo ser aprovado pelo governo norte americano, foi apresentado na Associação Americana de Psicologia.

Apesar de ser uma patologia ainda pouco conhecida pela população, a incidência é elevada: estima-se que 12 a 14% das pessoas tenham a condição.

 

Quais são as principais características?

 

Os problemas dessa síndrome estão, basicamente, associados à presença de luz no ambiente. Quando a luz entra, ele segue o caminho correto pelo globo ocular, sendo focalizado na retina. Só que é o cérebro o responsável por fazer algumas correções — colocar a imagem na posição correta — e se essa parte do córtex não estiver funcionando perfeitamente, haverá distorções visuais.

Mas como saber que tenho ou que alguém da minha família tem a Síndrome de Irlen? Vejamos abaixo alguns sinais que podem mostrar isso.

 

Fotofobia

A fotofobia, como o próprio nome já diz, é aversão à luz. Isso quer dizer que quem tem essa fobia prefere locais mais escuros. É o que acontece com o portador da síndrome.

Inclusive, ele prefere ler e estudar em locais mais escuros porque se incomoda até mesmo com a luz que o papel reflete. É como se ele fosse muito mais sensível à reflexão de luz que os objetos fazem. O brilho do papel compete com o texto e assim, prejudica a atenção à leitura e, consequentemente, à compreensão do que está escrito.

A luz fluorescente é especialmente incômoda e mesmo a luz do sol, que é natural, costuma causar desconforto. Nessa lista entram também luzes de faróis, de postes e assim por diante. Os portadores podem sentir dor de cabeça e precisar do uso de óculos de sol constantemente, até mesmo dentro de casa.

 

Resolução viso-espacial

É o que atrapalha o foco e atenção do leitor que tem a Síndrome de Irlen. As letras no papel costumam tremer, saírem do lugar, aglomeram-se e podem até mesmo desaparecer. Isso, obviamente, deve ser bem irritante e dificulta o aprendizado. 

 

Restrição do foco

Aqui, as palavras são vistas em pedaços, de maneira parcelada sendo outra coisa que prejudica o aprendizado. Foi visto que, leitores frequentes consegue, com o passar do tempo, ampliar o campo de visão e conseguir entender melhor o contexto e interpretá-lo por causa do reconhecimento das palavras, ainda que estejam um pouco embaralhadas.

 

Estresse visual

Também chamada de astenopia pelos profissionais, é um tipo de fadiga visual causada por esforço constante que os portadores da síndrome precisam fazer para ler. Também pode acontecer em pessoas que não possuem essa condição.

Aqui também veremos essa fadiga associada a outros problemas como vermelhidão dos olhos, ardência, lacrimejamento, ressecamento e outros. Por conta de todos esses fatores, pessoas nessa condição também piscam mais vezes já que se torna uma necessidade lubrificar os olhos com maior frequência. O descanso visual em intervalos de tempo a cada 10 ou 15 minutos é mais do que necessário.

 

Percepção de profundidade

Quem tem a Síndrome de Irlen apresenta também uma dificuldade em enxergar objetos 3D. Isso implica em problemas para dirigir, estacionar o carro, subir em escadas rolantes, fazer atividades físicas que envolvam bolas e assim por diante. 

 

Como é realizado o diagnóstico?

O grande problema aqui é que os profissionais podem apresentar uma certa dificuldade para fazer o diagnóstico. Isso porque diversas outras patologias possuem os mesmos problemas oculares que a síndrome. É o caso de Dislexia, Autismo ou mesmo ao usar determinados medicamentos. Por isso, olhar atentamente e pensar em um diagnóstico diferencial é indispensável. 

Não é tão difícil identificar as diferenças. Por exemplo, na Dislexia vamos encontrar alguns sinais e sintomas que não são apresentados pelos portadores da Síndrome de Irlen como alterações na audição, escrita invertida, pronúncia incorreta, entre outros. 

Da mesma forma, a Hiperatividade, que também possui sinais de problemas oculares, possui outros sinais e sintomas como agitação constante, impulsividade e falta de autocontrole.

Na verdade, quem possui a Síndrome de Irlen tem consciência sobre a sua dificuldade na leitura. Elas aparecem após uns 10 ou 15 minutos justamente por causa da fadiga ocular. O grande problema é que, como a criança já nasce dessa maneira, ela acredita que todos enxergam da mesma forma e podem não falar sobre a dificuldade por não saber que se trata de um distúrbio na visão.

Por ser um problema no córtex, não há cura, mas há diversas maneiras de ajustar a visão com lentes corretivas e mudanças de hábitos para evitar os sinais e sintomas indesejáveis. Fazer pausas para o descanso dos olhos é importante, usar óculos de sol com proteção UV também é bastante indicado. 

E, como já foi dito, quanto mais você lê, menor será a sua dificuldade, portanto, torne isso um hábito. A leitura é algo muito bom e pode se tornar o seu momento de lazer.

Compartilhe este post nas redes sociais e ajude outras pessoas que podem ter a Síndrome de Irlen, mas ainda não se deram conta disso ou desconhecem a existência desse problema de neurovisão!

Compartilhe agora

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Receba nossas novidades

Mais sobre a Jandaia

A Empresa

Certificações

Sustentabilidade

Compromisso

© 2020 Jandaia | Grupo Bignardi - Todos os Direitos Reservados

Desenvolvido por: Agência Digital Lema